domingo, 22 de julho de 2007

VIDA INVENTADA

Vou postar hoje um poema meu de 1976,
mas tão atual que não será demais.

De qualquer maneira, desejo uma boa semana a todos nós.



Vida Inventada
Gilia Gerling

Inventar horizontes...
Única maneira de suportar a possível perda de rumo nestes
mares aflitos que nos ameaçam todas as manhãs

Inventar gaivotas...
Única maneira de suportar estas nossas lágrimas
pela dor maior de um céu não azul

Inventar ondas...
Única maneira de suportar a calmaria que a lucidez nos obriga

Inventar sol e lua...
Única maneira de suportar estes tempos iguais
que nos enlouquecem com suas diferenças

Inventar velas...
Única maneira de suportar o espanto dos nossos olhos
refletidos nas águas que acolhem estes restos de naufrágio

Inventar...
Inventar gaivotas, ondas,
velas, sóis e luas.
E sempre, inventar horizontes

E, caso o horizonte nos falhe,
tentar a sobrevivência
e, se ela se negar,
inventar um cais em cada lágrima.

Um comentário:

Thais "passarinho beija-flor" disse...

Querida Poetisa, Amiga e Regente Giglia!! estou como um beija-flor em um jardim de doces flores, farfalhando as asas de uma a outra, e eu de poema e textos lindos neste teu belíssimo blog !! Parabéns Giglia! Me detive neste "VIDA INVENTADA" li e reli, e,no compasso da poesia, senti da Maestrina, o reger com doçura cada palavra....inventada? não sei, mas que em harmonia, toca o coração! ! Thais "beijaflor"