sábado, 24 de fevereiro de 2007

TRINTA ANOS DE AMIZADE

Quero muito deixar registrado aqui que, no último dia 18, comemorei trintas anos de uma amizade límpida, sincera e rara.
Tenho uma amiga muito especial, a Ilka Vieira ( link da belíssima página dela está aqui ao lado - Ilka Vieira - Sob a Luz da Poesia). No site dela, pleno de lindos poemas de autoria dela e de convidados, ela me dedica um que me emociona, sempre que leio, o ELO DE AMIZADE.
Nós nos conhecemos no Rio de Janeiro há trinta anos!
Ilka e eu mantemos e alimentamos uma amizade muito produtiva que continua se solidificando.
O valor de uma amizade verdadeira é incalculável, todos sabem.
Ela mora no Rio de Janeiro - minha terra natal tão amada e agora tão judiada- e eu aqui, em Porto Alegre, mas temos uma sintonia fina e maravilhosa. É como se fossemos vizinhas. Como se nos visitassemos, tipo janela-a-janela, todos os dias.


Nestes trinta anos soubemos respeitar nossos silêncios, nossas ausências, nossas dificuldades
(Isso faz uma amizade crescer!). A Ilka tem uma importância imensa na minha vida.
Esse é um assunto que não interessa a ninguém, eu sei, mas neste momento de um mundo tão cheio de inimigos, tão cheio de assassinos de emoções, creio que devemos valorizar, registrar, contar, divulgar, enfim, deixar atestado o quanto é possível e importante ter amigos verdadeiros.
Tenho alguns e sou grata a Deus por isso. Pouquíssimos, mas realmente valiosos!
Pois é isso, queria compartilhar uma alegria. Nem só de tristezas vive o Homem...(Não está na Bíblia, mas no cotidiano!)
Ilka, obrigada por tudo e pelo livro que você me deu do Fernando Pessoa- O Eu Profundo e os Outros Eus - exatamente no dia 24 de fevereiro de 1977!


2 comentários:

Ilka Vieira disse...

Amiga Gigi, Amiga Gigantesca, depois de receber esse maravilhoso presente no seu blog, resta-me colocar aqui o nosso Elo de Amizade e dizer que te amo!

Elo de Amizade

(Dedicado à Gília Gerling, que é doutorada em amizade)

Por um simples sorriso,
nativo da tua amizade,
deito meu coração
às margens da fidelidade
e entrego-me veloz ao teu chamado.

Ventos aceleram os tempos,
metas geram distâncias,
mas a chama do afeto
não apaga, por certo,
a intensidade da saudade
demarcada e sem feridas...
sem pactos de vida...
eternamente crescente
pelos nutrientes desse amor.

Viemos de muito longe, sabemos!
Nosso encontro já estava marcado
por incumbências de outras vidas
que não nos permitem despedidas,
mas, em novas partidas,
nos colocam lado a lado.
Ilka Vieira

Tillerman disse...

Nossa, Gilia!

Nem acreditei quando vi o seu comentário no meu blog! Adorei! Significa muito para mim alguém tão admirada por uma das pessoas que eu mais admiro (minha mãe) dizer isso.

E ainda mais quando chego aqui no seu blog leio um maravilhoso texto sobre a amizade, que só poderia ser escrito por alguém que entende os limites entre um ser humano e outro, e, acima de tudo, que entenda os caminhos e cuidados que devemos ter para cultivarmos qualquer relação.

Muito dizem que Thoreau foi forte por se confinar no meio do bosque em Walden, mas acredito é muito mais difícil - e gratificante - conviver diariamente com o mundo particular de todos. Thoreau era o mestre do seu mundo. Supremo e incontestável. Tudo era ele e dele. Mas em meio a outro temos que dividir, ouvir, conversar, argumentar, enfim, sermos peça de um mundo.

Enfim, acabei me estendendo muito.

Fica aqui o agradecimento e o parabéns pelo blog de um novo leitor.

Abraços!

Lourenço.